texto

Penetração

O mundo dormita
Meus ossos brindam pousados no colchão
A cada estalido erode a terra
Na poeira, lá vou
Ínfimo grão quicando o solo
Chacoalho até o mar
Noto o firmamento bordado por diminutas lanternas
Tatuíras rasgam a areia por onde desapareço
Da revolução marítima emerjo
Coração latejante
Susto e milagre
Eis a poesia

Publicado em

Compartilhe

ver mais textos